Salto Morato e Serra do Tombador

Cachoeira no alto do Rio Morato
Cachoeira no alto do Rio Morato

Durante o final de maio e início de junho fotografei as Reservas Naturais Salto Morato  e Serrado Tombador, ambas administradas pela Fundação Boticário de Proteção a Natureza FBPN. O trabalho foi feito sob encomenda do departamento de comunicação da Fundação, que irá usar as fotos para divulgar as reservas. Salto Morato fica no município de Guaraqueçaba, no litoral do Paraná. Foi a primeira reserva criada pela FBPN e fica no bioma Mata Atlântica. O nome deve-se ao Salto de mais de 100 metros de altura que é uma das principais atrações da reserva. Passei três dias e meio na reserva mas choveu muito no terceiro dia e não consegui fazer nada. No primeiro dia fotografei as duas principais trilhas: a do Salto Morato e a da Figueira. A figueira em questão é outro dos cartões postais da reserva pois suas raízes fazem uma espécie de ponte sobre o rio. No segundo dia fiz uma trilha conhecida como Casa do Puma, pois tem uma casa de madeira abandonada onde mora um puma. A trilha segue morro acima e chega no Rio Morato. Caminhamos pelo leito do rio até chegar no topo do salto e depois descemos o morro novamente por uma perambeira escorregadia já com uma chuva fina. No último dia dei mais uma caminhada por dentro do rio e fotografei as instalações da reserva, que aliás são de primeira.

Aquário, piscina natural no Rio Morato.
Aquário, piscina natural no Rio Morato.
Cana-do-brejo com opilião na Reserva Salto Morato.
Cana-do-brejo com opilião na Reserva Salto Morato.

A Serra do Tombador fica em Goiás, lá no norte do estado, no município de Cavalcante. Peguei um avião até Brasília onde aluguei um carro  e percorri cerca de 400 quilômetros até a Reserva. Passei por Alto Paraíso, onde fica o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a cerca de 80 quilômetros de Cavalcante. Até a reserva ainda me esperavam mais 78 quilômetros de estrada de terra. Já era noite quando cheguei a Cavalcante. Pedi informações na cidade e me disseram que era fácil achar o caminho. A estrada era horrível, mais assustadora por ser a noite talvez. Depois de andar algumas horas a estrada piorou e quase atolei. Estava com um carro pequeno, não muito apropriado. Por sorte, no meio da noite deserta, cruzei com uma carro vindo no sentido contrário e eles me disseram que eu havia errado o caminho. Voltei atrás deles até a bifurcação que eu havia perdido. Passei pelo povoado de São Domigos e ai mais uma surpresa: um rio para atravessar. Voltei ao povoado e encontrei alguém na escola, que me disse que eu podia passar sem medo pelo rio. Segui adiante  e cruzei o rio. Mais adiante uma pequena placa da reserva ao lado de um pequeno portão de madeira que parecia não levar a lugar nenhum. Imaginei que a placa era apenas para marcar o inicio da reserva e continuei. Mais na frente outra placa. Segui em frente e surpresa: mais um rio. O pior é que desta vez o farol do carro iluminava uma mata em frente como se a estrada acabasse ali. Entrei um pouco com o carro no rio e vi que a estrada continuava mais para a esquerda. Não pensei muito e fui adiante. O carro saiu do outro lado soltando fumaça de alguma coisa que não devia ter molhado. Finalmente encontrei mais uma placa e uma bifurcação a esquerda. Entrei e encontrei o portão da sede. As casas estavam todas as escuras, eram mais de 11 da noite. Imaginei que todos dormiam e tentei dar uma buzinada para chamar alguém. Saiu um grito rouco e fraco do carro. Deduzi que a buzina tinha mergulhado no rio. Por alguma razão intui que a última casa era do gestor da reserva. Me encaminhei para lá e bati palmas. Dali a pouco apareceu o próprio, ainda meio assustado por ser acordado no meio da noite. Eu estava irritado pois achava que alguém deveria ter me avisado pra não vir a noite. Enfim, fui dormir e no outro dia pedi desculpas pelo mau humor da chegada, depois de contar minha epopéia.

Flor típica do cerrado, Serra do Tombador.
Paepalanthus, flor típica do cerrado, Serra do Tombador.

No Tombador o tempo foi de sol todos os dias. Durante o dia muito calor, à noite um friozinho leve gostoso pra dormir. No primeiro dia Marcelo, o gestor, me levou num mirante natural, um ponto da estrada onde se pode ver um panorama da reserva. A tarde descemos as cachoeiras do Rio Conceição. O dia seguinte passei todo no lombo de uma mula para ir até a trilha do Virá. No terceiro dia Marcelo me levou num cerrado rupestre de manhã cedo. A tarde percorri vários pontos perto da estrada, com direito a uma panorâmica do mirante e um arco-íris.

No sábado aproveitei para pernoitar em Alto Paraíso e no dia seguinte fui conhecer o famoso Vale da Lua. No inicio da tarde ainda passei no Portal da Chapada e fiz uma trilha suspensa dentro de uma mata ciliar. Peguei a estrada para Brasília pois meu vôo de volta era esta noite. O Parque Nacional ficou pra um próxima.

Arara-canindé.
Arara-canindé.
Arco-íris na Serra do Tombador.
Arco-íris na Serra do Tombador.
Anúncios

16 comentários em “Salto Morato e Serra do Tombador

Adicione o seu

  1. grande amigo e mestre Paiva.
    É sempre um prazer ver as suas imagens e entender que fotografia é muito mais apenas um click.
    Boas vindas.
    O mais importante nesta revolução digital, é a incansável busca pela excelência e isto poucos conseguem
    Parabéns

    abraços

    Markito

    Curtir

  2. Parabéns pelo blogue e pelas imagens, que são de fato belíssimas. Acompanho seu trabalho desde quando a Fotografe Melhor publicou matéria sobre seu trabalho. Foi uma matéria que mencionava registros seus feitos em RAW.

    Também me dedico à fotografia; quando tiver um tempinho, gentileza conferir meu site: http://www.liviosoares.com

    Grato.

    Curtir

  3. Oi Zé, parabéns pelo blog e também as lindas fotos. Conheci Alto Paraíso há 20 anos, mas não fui ao Vale da Lua. Podias colocar umas fotinhos de lá, né? Beijos, Ghazal

    Curtir

  4. Zé, tuas fotos/trabalhos são belíssimos. Grande Profissional!
    Tive a oportunidade de fazer um curso de 15 dias em Salto Morato, como bolsista da Fundação O Boticário. A Reserva, o salto e a figueira são extraordinários.
    Abração, Chico Antônio.

    Curtir

    1. Chico, agradeço os comentários. Também adorei o Salto Morato. Na verdade eu já tinha ido duas vezes a passeio mas dessa vez conheci mais profundamente. A primeira foto é do Rio Morato antes do Salto. abraço

      Curtir

  5. Ave, Paiva!

    Entre um clique e outro rolam muitas cenas impublicáveis. Um blog pode ter isso tudo, né? Assim, a gente pode ir contando pra galera que os rios que beiram nossa paisagem estão secando ou fedendo; as araucárias dos posters e calendários que a gente produz são trocadas por pinus e pastos; acima das belas cachoeiras e mananciais existe muito veneno, abaixo: vidro, pneu e pet, enfim, o paraíso que ganhamos de presente e do qual nos expulsaram (segundo a mitologia cristã, p. ex.) precisa ser redescoberto, sacralizado, ritualizado, venerado.
    Sempre digo: o fotógrafo é o único que pode resgatar a alma da imagem; é a testemunha de tudo o que foi capturado naquela janelinha, e, dependendo da abertura, com muita profundidade!

    Abração
    Renato Rizzaro

    Curtir

    1. Salve Renato! é justamente isso que me agonia e me faz chorar escondido pois me sinto impotente diante de tanta destruição. E o homem continua consumindo, como bem sabemos, o que significa mais destruição. Pelo menos vamos testemunhar e fazer a nossa parte. Infelizmente minha indignação é bem maior do que a minha esperança. Grande abraço

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: