Walmor, Riboud e a Maratona

Três exposições interessantes em Florianópolis, para quem reclama da falta de vida cultural na ilha:

“Você que faz versos” é o nome da exposição do artista plástico Walmor Corrêa, ilhéu (florianopolitano) radicado em Porto Alegre. Seu trabalho se caracteriza pelo diálogo entre as ciências naturais e a arte. O primeiro trabalho do Walmor que tive a chance de conhecer eram desenhos (pseudo) científicos de seres mitológicos (sereia, curupira e outros). Fiquei fascinado, pois o artista brincava com os limites entre a arte e a ciência, algo que sempre me interessou e inclusive permeia o meu trabalho pessoal. Depois disso vi a instalação “Biblioteca dos enganos”, na 7a Bienal do Mercosul em 2009, trabalho baseado em suposições equivocadas de um naturalista do século XIX.

“Você que faz versos” de Wamor Corrêa, no Museu Victor Meirelles

“Você que faz versos” de Wamor Corrêa, no Museu Victor Meirelles

“Você que faz versos” de Wamor Corrêa, no Museu Victor Meirelles

Neste trabalho atual, Walmor nos brinda com uma reflexão sobre nossa sociedade produtora de lixo, cenário habitado por ratos alados, deixando espaço para múltiplas leituras do espectador. No mínimo intrigante. Pássaros com cabeça de ratos ou ratos com corpos de aves? Seja como for, enquanto alguns exploram latões de lixo, outros observam tudo empoleirados em galhos metálicos.

No Museu Histórico de Santa Catarina (mais conhecido com Palácio Cruz e Souza) uma grande retrospectiva do mestre Marc Riboud. Um dos mais importantes fotógrafos da famosa agência Magnum, junto com Henri Cartier-Bresson e Robert Capa, Riboud trilhou uma carreira fotojornalística depois de abandonar um emprego como engenheiro (qualquer coincidência é mera casualidade).

Nigéria, 1960. No grande baile da independência, revela-se a elegância ancestral das fêmeas africanas.

Cuba, 1963.

Índia, 1971. Jovem mãe num campo de refugiados em Calcutá.

Holanda, 1994. Pensamentos estranhos em um canal holandês.

Touraine, 2001. Desenhos de pedras e galhos na neve.

Nesta retrospectiva podemos ver várias fases de sua longa carreira de mais de 50 anos de fotografia. É interessante observar que além de suas fotos mais conhecidas (que por isso mesmo não vou mostrar aqui), ele exibe nos últimos anos imagens com uma veia mais poética, talvez para compensar tantos anos de fotografia jornalística e documental. Me decepcionaram as fotos da favela da Maré, no Rio de Janeiro, que além de parecerem amadoras, foram expostas em tamanhos bem menores que as outras e montadas em molduras com quatro imagens, o que desvalorizou-as ainda mais.

Na galeria Pedro Paulo Vecchietti, da Fundação Cultural Franklin Cascaes, está a exposição fotográfica com os vencedores da Maratona Fotográfica 2012, da qual fui um dos jurados, juntamente com os fotógrafos Andréa Eichenberger e Sandro Sampaio, além dos técnicos da Fundação, Sulanger Bavaresco e Sérgio Belozupko. Dos 204 fotógrafos amadores e profissionais que participaram do evento nas modalidades digital e analógica, 25 foram selecionados – sendo três pelo conjunto de imagens e os demais por tema individual.

O desafio do concurso é fotografar em 24 horas 24 temas diferentes, que são divulgados somente no momento da maratona. As dificuldades dos participantes revelaram-se na nossa avaliação dos trabalhos, pois foi muito difícil encontrar fotógrafos que conseguissem cumprir todos os temas e além disso manter um nível de qualidade técnica e estética. O resultado disso foi que na modalidade digital tivemos somente dois premiados pelo conjunto, e na modalidade analógica somente um, quando na verdade haviam três prêmios possíveis em cada modalidade. Interessante num trabalho desses observar-se a grande variedade de linguagens e olhares, as vezes no trabalho de um mesmo fotógrafo.

Prêmio individual na categoria digital – Tema10 – Achados e perdidos – foto de Mitsue Yanai

Prêmio individual na categoria digital – tema 16 “Telas urbanas”, foto de Carolina Rogelin

Prêmio individual na categoria digital – tema 20 “Dando visibilidade”, foto de Sidney Ferreira

2º lugar na categoria digital – tema 1 “Construção coletiva”, foto de Dimitrius Silva

1º Lugar na categoria filme – tema 2 Cuidando da história – foto de Guilherme Becker

Serviço

O que: Você que faz versos – Exposição de Walmor Corrêa
Onde: Museu Victor Meirelles – Rua Victor Meirelles, 59, Centro – Florianópolis
Visitação: de 10 às 18h, de terça a sexta-feira. Até 13 de junho de 2012
Informações: tel. 3222-0692

O que
: Exposição fotográfica Marc Riboud, fotógrafo
Onde: Museu Histórico de Santa Catarina – Palácio Cruz e Sousa (Praça XV de Novembro, 227 – Centro – Florianópolis)
Visitação: de 15/05 a 17/06/2012. De terça a sexta-feira, das 10h às 18h. Aos sábados e domingos, das 10h às 16h.
Informações: (48) 3028-8091
 
O que: 18ª Maratona Fotográfica de Florianópolis – Exposição de Fotos Selecionadas
Onde: Galeria Municipal de Arte Pedro Paulo Vecchietti – Praça 15 de Novembro, nº180 – Centro – 
Visitação: de 21 de maio a 29 de junho – Segunda a sexta-feira, das 10h às 18h
Informações: (48) 3228-6821 / 3324-1415 (Diretoria de Artes)

Todas as exposições tem entrada gratuita.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s