Expedição Fotográfica Santuário das Aves 2018

Amigos! Devido ao sucesso em 2017 vamos repetir a dose: se você quer curtir um carnaval sossegado na natureza vem conosco. IMPORTANTE: as inscrições são até 15/dezembro/2017!

renata@braziltrails.com

Anúncios

“Making of” da terceira Expedição Cânions do Sul

De 12 a 15 de outubro aconteceu a 3ª Expedição Fotográfica Cânions do Sul, que levou cinco aventureiros para conhecer e fotografar os cânions, cachoeiras e toda a exuberante natureza de Cambará do Sul, no Rio Grande do Sul. A previsão do tempo não era muito animadora: chuva. Mas na natureza é assim, estamos sujeitos as intempéries. O que eu sempre digo é que não existe um dia ruim, ou uma luz ruim, tudo depende da forma como lidamos com a situação. Por exemplo, as vezes, no meio das nuvens de chuva sai um raio de sol e nos proporciona uma luz fantástica. E foi assim, o grupo manteve o astral alto o tempo todo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No primeiro dia choveu bastante. Fizemos uma roda de conversa seguida da aula inaugural e depois saboreamos deliciosas trutas do Chef Marcos no Restaurante do Lago. No segundo dia fomos ao Cânion Itaimbezinho, no Parque Nacional Aparados da Serra, com chuva. Chegando lá, visitamos a maquete dos Cânions que há no centro de visitantes. Para nossa surpresa, de repente, o céu limpou completamente e saiu o sol. Fizemos a trilha do Vértice, a mais curta e no final da trilha começou a chover. Voltamos para a van e fomos para a Cachoeira do Tio França. A chuva parou novamente e conseguimos fazer muitas fotos.  A cachoeira estava muito caudalosa devido as chuvas. A noite nos deliciamos com a comida italiana do Restaurante Casarão. No terceiro dia fomos ao Cânion Fortaleza, no Parque Nacional da Serra Geral. A chuva deu uma trégua e fizemos a trilha da borda do cânions. Depois subimos a trilha do mirante, porém a neblina não deixou ver toda a grandiosidade das escarpas. Depois de um piquenique na van, fizemos a trilha da Cachoeira do Tigre Preto e da Pedra do Segredo. No final da tarde o sol deu o ar da graça e vimos um belo entardecer no mirante do nosso super acolhedor Cambará Eco Hotel. No quarto dia amanheceu um sol radiante e voltamos ao Cânion Itaimbezinho para fazer a Trilha do Cotovelo, onde se descortina o Cânion em toda a sua imponência. Mais uma vez ficou comprovado que é possível driblar o clima, fazer boas fotografias e divertir-se com qualquer tempo. Que venham as próximas expedições!

A Poética do Mar

Fotógrafo Zé Paiva expõe na CASACOR SC, em Florianópolis, de 11 a 22 de outubro.

Inspiração – foto de Zé Paiva

“A arte que vem das profundezas do nosso ser espiritual pode trazer à tona a consciência do nosso aspecto mais sutil, e assim, fazer com que enxerguemos a beleza que está oculta nas coisas mais simples”. Com estas palavras, o fotógrafo Zé Paiva comenta sobre o trabalho inédito “A Poética do Mar”, que foi lançado na CASACOR SC no dia 11, quarta-feira, no ambiente Living Restô, das arquitetas Isadora Maestri e Caroline Porto.

“Uma pedra à beira-mar, uma alga, um punhado de areia, uma nuvem. A beleza está em tudo, basta ter olhos para ver”, poetiza o artista das imagens. “Nesta série ‘A Poética do Mar’, busco transmitir a emoção que me é causada pela presença do mar, sua imensa força e energia e, ao mesmo tempo, a paz que ele traz”, revela o autor.

Ancestral – foto de Zé Paiva

Sobre as imagens

As fotografias desta exposição foram feitas entre 2015 e 2017, algumas em Jericoacoara e as outras em diversas praias de Santa Catarina (Canto Grande, Gamboa, Praia Mole, etc.). A técnica que foi usada é conhecida como “long exposure” (longa exposição). Todas as fotografias foram feitas com exposições variando entre um e trinta segundos para captar a imagem. As imagens foram impressas com pigmentos minerais em papel de algodão Canson Edition Etching 310 g/m2 (durabilidade prevista de 100 anos sem alterações, dependendo das condições ambientais). A tiragem de cada foto é limitada a 10 unidades de cada formato. A impressão é de Guilherme Ternes e as molduras são feitas por Henrique Azevedo. O ensaio completo pode ser visto no site www.vistaimagens.com.br

Harmonia – foto de Zé Paiva

O autor

Zé Paiva trocou a engenharia pela fotografia após uma longa viagem pela Europa e norte da África, em 1983. Iniciou sua atuação no fotojornalismo, na sucursal do jornal O Globo, em Porto Alegre. Mudou-se, então, para Florianópolis, onde, desde 1984, dirige sua empresa. Aprimorou seus estudos em 1993 no International Center of Photography, em Nova Iorque. Em 2012, concluiu sua pós-graduação em Fotografia, pela Univali (Universidade do Vale do Itajaí). Ensinou fotografia na Udesc (Universidade do Estado de Santa Catarina), na FURB (Fundação Universidade Regional de Blumenau) e na ESMP (Escola Superior de Propaganda e Marketing). Ministrou cursos e oficinas em diversas cidades do Brasil.

Premiações

Realizou exposições nas principais cidades do Brasil e recebeu diversos prêmios, entre eles o Raulino Reitz, da Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina, em 2002, e menções honrosas no International Photo Awards, em Nova Iorque, em 2005, 2006 e 2012, e no Prix de la Photographie, em Paris, em 2007. Em 2009 foi selecionado para a coleção Pirelli/MASP de fotografia. Em 2010 foi finalista do Prêmio Conrado Wessel na categoria ensaio fotográfico. Em 2012 recebeu o Prêmio Marc Ferrez da Funarte. Exibiu entre 2014 e 2017 a exposição Bichos do Sul pelo SESC-SC em 16 cidades com um público de mais de 60 mil pessoas.

Publicações

Zé Paiva teve fotos publicadas em dezenas de livros, revistas e calendários. Em 2004, lançou o livro “Santa Catarina – Cores e Sentimentos”, pela Editora Escrituras. Concebeu e coordenou o projeto Expedição Natureza Santa Catarina, que resultou no livro lançado em 2005 pela editora Letras Contemporâneas. Em 2008 lançou o segundo livro da série, “Expedição Natureza Gaúcha”, em parceria com a Editora Metalivros. Em 2012 lançou o terceiro livro da série “Expedição: A Natureza do Tocantins”.

Sobre a CASACOR

Pertencente ao Grupo Abril, a CASACOR é reconhecida como a maior e melhor mostra de arquitetura, decoração e paisagismo das Américas. O evento reúne, anualmente, renomados arquitetos, decoradores e paisagistas e em 2017 chega à sua 31ª edição em São Paulo, com 20 praças nacionais (Alagoas, Bahia, Brasília, Ceará, Espírito Santo, Franca, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina), e mais seis internacionais (Miami, Bolívia, Chile, Equador, Paraguai e Peru).

SERVIÇO

O QUÊ: CASACOR/SC 2017 – Edição Florianópolis

QUANDO: 10 de setembro a 22 de outubro

Terça a Sexta, das 15h às 21h

Sábado, das 13h às 21h

Domingo, das 13h às 19h

ONDE: Praça Getúlio Vargas, 194 – Centro – Antigo casarão do Asylo de Orphans São Vicente de Paulo da IDES (Irmandade do Divino Espírito Santo).

INGRESSOS: Inteira, R$40/Meia, R$20/Passaporte, R$100

INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA:

Estúdio L Comunicação e Imagem – 55 (48) 3371-7148

Paula Costa – 55 (48) 98421-2126 / Alessandra Cavalheiro

paulacosta@estudiol.com / alessandra@estudiol.com

Bichos do Sul em Mafra SC

O curador Zé Paiva se inspirou no mote: união entre arte e ciência, e por conta disso colocou nos painéis citações do naturalista alemão Fritz Müller, que viveu a maior parte da sua vida em Santa Catarina, e foi um dos principais colaboradores de Charles Darwin.

A exposição mostra fotografias de grande formato de 12 animais silvestres do sul do Brasil com textos que falam sobre os seus hábitos. O evento faz parte do calendário de festejos dos 100 anos de Mafra. Saiba mais sobre o projeto clicando aqui.

SERVIÇO:

  • LOCAL – Campus da UNC Universidade do Contestado – hall do bloco G
  • HORÁRIO – até o dia 20 de agosto, das 8 às 12 e das 13 as 17 horas.
  • AGENDAMENTO – A escolas interessadas podem agendar visita pelos telefones 47 3641-5528 e 47 3641-5554, com Andressa ou Queila.

Como foi o workshop de Fotografia Contemplativa

Neste final de semana, nos dias 30 de junho a 2 de julho, aconteceu na Oikos, em Criciúma, o primeiro workshop de fotografia contemplativa. A ideia era reunir minha experiência de 34 anos com fotografia profissional e meus 7 anos como praticante de meditação budista. Minha fotografia normalmente tem um caráter contemplativo. Neste workshop meu objetivo era passar esse conteúdo para os participantes de uma forma didática e prática. Foi o que fizemos e tanto pelo resultado como pela avaliação das pessoas que participaram acho que deu certo. Na sexta feira depois de jantar fizemos nossa primeira roda de conversas. No sábado alternamos momentos de meditação, instruções e prática fotográfica nas trilhas da Oikos. No domingo fomos a Nova Veneza onde fizemos uma trilha contemplativa até a bela Cachoeira do Cantão. Vejam abaixo algumas fotos produzidas durante o workshop.

Como foi a Expedição Fotográfica Coxilha Rica

De 5 a 7 de maio fomos desbravar a Coxilha Rica na minha primeira expedição fotográfica em parceria com o SESC Turismo Social. Éramos 25 viajantes explorando as paisagens dessa região ainda pouco conhecida de Santa Catarina.

Viajantes na Fazenda Santa Clara.

A região denominada Coxilha Rica fica na zona rural do município brasileiro de Lages, o maior em extensão do Estado de Santa Catarina. A Coxilha Rica possui cerca de 100 quilômetros quadrados de extensão na serra catarinense. É uma grande planície localizada a mais de mil metros acima do nível do mar. O solo da Coxilha Rica é pouco profundo, pedregoso, não muito fértil e coberto de gramíneas nativas, que no inverno secam com a geada e com o forte vento minuano vindo do Sul. Em meio aos campos encontram-se remanescentes de florestas ombrófilas mistas, onde ocorre a araucária – também conhecida como o pinheiro brasileiro. O nome (coxilha) dá-se ao fato de a região ser formada por uma planície ondulada a perder de vista, semelhante aos pampas do Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina.

Aurora na Fazenda da Chapada.

As propriedades localizadas na Coxilha Rica são principalmente fazendas, algumas seculares, destinadas à criação de gado utilizando-se da pastagem natural. Uma das primeiras vias terrestres de ligação entre o Sul e o Sudeste do Brasil, o Caminho das Tropas, traçado no século XVIII, passava pela Coxilha Rica. Era um corredor formado por muros de pedra, as taipas, por onde os tropeiros levavam gado do Rio Grande do Sul a São Paulo (Sorocaba) e ao sul de Minas Gerais.

Taipa de pedras na Fazenda Cajuru.

No primeiro dia nos encontramos na Pousada Rural do SESC em Lages, onde jantamos e tivemos nosso primeiro encontro: uma roda de conversa com uma dinâmica de integração seguida de um aula de fotografia de viagem. Tudo com o objetivo de preparar os viajantes para nossa aventura no final de semana.

Aurora na Pousada Rural SESC Lages, Santa Catarina.

No dia seguinte acordamos cedinho para fotografar a aurora no lago da pousada. O dia amanheceu assim, coberta por brumas, o que não impediu de fazer boas fotos. Depois do café da manhã saímos para a Coxilha Rica. Primeira parada: Fazenda Santa Clara, onde encontramos belos plátanos com as folhas tingidas pelo outono e um gaúcho à caráter. Dali seguimos para a Fazenda da Cajuru, uma casa histórica de 1865, onde depois de muitas fotos saboreamos um almoço com comida típica do planalto serrano.

Fazenda Cajuru.

Depois do almoço continuamos nossa expedição até o Rio Pelotinhas, onde paramos para fotografar. Depois seguimos até a Fazenda da Cascata, onde nos aguardava um delicioso café da tarde servido por uma hospitaleira família. Depois do café saímos caminhando pelo campo para contemplar e fotografar as cores do final do dia na Coxilha.

Ocaso na Fazenda da Cascata.

Seguimos viagem até a Fazenda da Chapada, onde iríamos jantar e pernoitar. Depois de nos instalarmos uma surpresa: um show com um violeiro e um gaiteiro de primeira categoria cantando temas gauchescos e contando causos. Para completar um jantar servido no belo galpão da fazenda (transformado em salão): trutas, carnes, muito pinhão e acompanhamentos. Um verdadeiro banquete. Depois do jantar ainda fomos fazer uma prática de light painting: um retrato do grupo iluminado pela luz de uma lanterna.

No dia seguinte novamente madrugamos para fotografar o amanhecer na chapada que dá nome a fazenda. Para incrementar a paisagem convidamos o Thiago Bombacha, da equipe da fazenda, para participar da nossa sessão de fotos.

Thiago Bombacha na Fazenda da Chapada.

Depois de um lauto café da manhã fizemos uma pequena trilha até a cachoeira da fazenda onde ensinei como fazer fotos com o efeito “véu”(fotografia de longa exposição – veja com detalhes no meu artigo no portal photos). Depois de muitas fotos das pinhas caídas no campo, pois esta é a época de colheita do delicioso pinhão, iniciamos nosso retorno a Pousada Rural do SESC em Lages, onde almoçamos e encerramos a primeira Expedição Fotográfica Coxilha Rica.

Um agradecimento especial a todos que tornaram possível esse projeto: a equipe do Turismo Social do SESC-SC, a equipe da Pousada Rural SESC Lages SC, ao Robério Bianchini, da Coxilha Rica Turismo equestre, profundo conhecedor e responsável pela logística, e a todos que nos receberam nas fazendas visitadas com muita hospitalidade.

Em breve teremos a data de mais uma expedição para lá. Aproveite para ver nossa agenda de expedições e workshops aqui no blog.

 

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: