“Making of” da terceira Expedição Cânions do Sul

De 12 a 15 de outubro aconteceu a 3ª Expedição Fotográfica Cânions do Sul, que levou cinco aventureiros para conhecer e fotografar os cânions, cachoeiras e toda a exuberante natureza de Cambará do Sul, no Rio Grande do Sul. A previsão do tempo não era muito animadora: chuva. Mas na natureza é assim, estamos sujeitos as intempéries. O que eu sempre digo é que não existe um dia ruim, ou uma luz ruim, tudo depende da forma como lidamos com a situação. Por exemplo, as vezes, no meio das nuvens de chuva sai um raio de sol e nos proporciona uma luz fantástica. E foi assim, o grupo manteve o astral alto o tempo todo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No primeiro dia choveu bastante. Fizemos uma roda de conversa seguida da aula inaugural e depois saboreamos deliciosas trutas do Chef Marcos no Restaurante do Lago. No segundo dia fomos ao Cânion Itaimbezinho, no Parque Nacional Aparados da Serra, com chuva. Chegando lá, visitamos a maquete dos Cânions que há no centro de visitantes. Para nossa surpresa, de repente, o céu limpou completamente e saiu o sol. Fizemos a trilha do Vértice, a mais curta e no final da trilha começou a chover. Voltamos para a van e fomos para a Cachoeira do Tio França. A chuva parou novamente e conseguimos fazer muitas fotos.  A cachoeira estava muito caudalosa devido as chuvas. A noite nos deliciamos com a comida italiana do Restaurante Casarão. No terceiro dia fomos ao Cânion Fortaleza, no Parque Nacional da Serra Geral. A chuva deu uma trégua e fizemos a trilha da borda do cânions. Depois subimos a trilha do mirante, porém a neblina não deixou ver toda a grandiosidade das escarpas. Depois de um piquenique na van, fizemos a trilha da Cachoeira do Tigre Preto e da Pedra do Segredo. No final da tarde o sol deu o ar da graça e vimos um belo entardecer no mirante do nosso super acolhedor Cambará Eco Hotel. No quarto dia amanheceu um sol radiante e voltamos ao Cânion Itaimbezinho para fazer a Trilha do Cotovelo, onde se descortina o Cânion em toda a sua imponência. Mais uma vez ficou comprovado que é possível driblar o clima, fazer boas fotografias e divertir-se com qualquer tempo. Que venham as próximas expedições!

Anúncios

expedição cânions do sul na páscoa 2017

Olá pessoal! Vejam aqui como foi a Expedição aos Cânions desse ano.

Na subida para a serra já fomos presenteados com um belo por-do-sol, e ainda estávamos no transfer para o ótimo Cambará Eco Hotel, onde ficamos ano passado também.

Na primeira noite já partimos para um retrato da turma toda com lightpainting, e a lua cheia meio tímida no fundo.

No dia seguinte o sol anunciou o seu reinado e logo depois do café da manhã partimos para o Parque Nacional Aparados da Serra.

Primeiro fizemos a trilha do Vértice e depois a do Cotovelo, ambas com vista para o Cânion Itaimbezinho, cujos paredões chegam a ter 700 metros de altura.

Esta é a Cachoeira das Andorinhas vista da Trilha do Vértice.

Da Trilha do Cotovelo a visão clássica do cânion! Lá embaixo corre o Rio do Boi, outra trilha fantástica por dentro do cânion, mas aí é outra história.

Depois do parque ainda fomos à Cachoeira do Tio França, mas eu acabei curtindo mesmo essa foto de um velho galpão no início da trilha. A noite foi de muitas trutas no Restaurante do Lago, no próprio hotel, regadas a um bom vinho com direito a lareira e uma apresentação de harpa e violino pela esposa e a filha do chef!

Uma vista do Cambará Eco Hotel desde o pier no lago.

No terceiro dia fomos ao Parque Nacional da Serra Geral, onde fica o imponente Cânion Fortaleza. Começamos subindo a trilha que leva ao mirante natural, na boca do cânion, porém veio o fenômeno conhecido como viração. Consiste numa grande evaporação de água do mar, que está próximo, e que entra dentro do cânion fechando a visão e nos deixando dentro das nuvens.

Entre uma nuvem e outra fomos subindo e no topo fizemos uma foto do grupo.

Depois começamos a trilha para a Cachoeira do Tigre Preto e Pedra do Segredo mas começou a chover e abortamos a missão. Para fazer a trilha teríamos que atravessar o rio pulando de pedra em pedra, o que com chuva pode ser perigoso. Voltamos para a cidade para programas mais culturais e não menos interessantes: casa do mel, artesanato em lã de ovelha natural e outros. A noite foi a vez de irmos ao Casarão, um ótimo restaurante de comida italiana com uma horta orgânica que fornece todos os verdes.

No último dia mudamos nosso roteiro para conhecer a trilha que fica junto ao hotel, dentro de uma bela mata nativa com araucárias, bromélias e samambaias. Aliás, o nome é trilha das bromélias. O José Antônio, proprietário do hotel foi o nosso guia e contou sobre a história e a ecologia da região.

Assim fechamos com chave de ouro nossa Expedição Cânions do Sul. De 12 a 15 de outubro, feriadão de Nossa Senhora Aparecida, teremos outra viagem aos cânions. Em breve estaremos divulgando os detalhes.

Veja como foi a Expedição Cânions do Sul

Este slideshow necessita de JavaScript.

Apesar do início com chuva e neblina, a Expedição Cânions do Sul foi um sucesso. Acompanhados do fotógrafo Zé Paiva, do seu assistente Maurício e do guia Júlio Nery, nove aventureiros percorreram os cânions Fortaleza, Itaimbezinho e a Cachoeira do Tio França.

No primeiro dia, apesar da chuva, conseguimos ter um vislumbre rápido do maravilhoso Cânion Itaimbezinho, mas desistimos de fazer a trilha para não molhar o equipamento fotográfico. Depois de um farto almoço no melhor estilo campeiro em Cambará do Sul, com direito a um gaiteiro gaúcho, fomos para a Cachoeira do Tio França. Uma leve garoa persistia mas conseguimos fotografar a bela queda d’água, pois ficamos protegidos por um telhado de pedra ao lado da cachoeira.

No segundo dia fomos ao imponente Cânion Fortaleza. Começamos pela trilha que leva a Cachoeira do Tigre Preto e Pedra do Segredo, porém devido as chuvas a travessia estava fechada. Mesmo assim fotografamos ao longo da trilha que margeia o rio até voltar para a van. Seguimos para a trilha que margeia a borda do cânion. A chuva parou e o céu começou a dar sinais de querer limpar. Voltamos até a van e decidimos subir a trilha do mirante. Depois de atravessar um pequeno riacho com água na canela o tempo começou a abrir. Já na subida do mirante descortinou-se o cânion com toda sua grandiosidade. No alto do mirante foi um festival de fotografias. As nuvens que passavam eram nossas modelos tendo como cenário os paredões de até 900 metros de altura.

No domingo infelizmente não pudemos fazer a Trilha do Rio do Boi como estava planejado pois devido as chuvas o rio estava muito alto e o ICMBio, que controla a entrada, não estava autorizando ninguém a fazer a trilha. Fomos então ao Itaimbezinho novamente, já que no primeiro dia a chuva frustrou nossa trilha. O dia esta ensolarado e quente. O cânion se mostrou com toda sua majestade. Começamos pela Trilha do Cotovelo, que leva ao ponto onde o cânion faz uma curva de noventa graus. Depois fizemos a Trilha do Vértice, onde se pode ver a Cachoeira das Andorinhas despencando 170 metros de altura.

A natureza é assim, caprichosa. As vezes se mostra com exuberância e sem pudores. Outras vezes fica tímida e escondida pela névoa. O fotógrafo não deve se intimidar, pois isso é da natureza. Nosso grupo não desanimou a teve paciência para esperar a natureza se exibir na sua plenitude. Não existe luz ruim, pois mesmo um dia com chuva pode render boas fotos. Como dizia Marcel Proust: “a verdadeira viagem da descoberta consiste, não em ver novas paisagens, mas em ter novos olhos”.

Próximas expedições:

Urubici – o melhor da serra catarinense  26 à 29 de maio – feriado de Corpus Christi

Expedição Jalapão – segundo semestre – em breve mais detalhes

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: