Como foi a Expedição Fotográfica Coxilha Rica

De 5 a 7 de maio fomos desbravar a Coxilha Rica na minha primeira expedição fotográfica em parceria com o SESC Turismo Social. Éramos 25 viajantes explorando as paisagens dessa região ainda pouco conhecida de Santa Catarina.

Viajantes na Fazenda Santa Clara.

A região denominada Coxilha Rica fica na zona rural do município brasileiro de Lages, o maior em extensão do Estado de Santa Catarina. A Coxilha Rica possui cerca de 100 quilômetros quadrados de extensão na serra catarinense. É uma grande planície localizada a mais de mil metros acima do nível do mar. O solo da Coxilha Rica é pouco profundo, pedregoso, não muito fértil e coberto de gramíneas nativas, que no inverno secam com a geada e com o forte vento minuano vindo do Sul. Em meio aos campos encontram-se remanescentes de florestas ombrófilas mistas, onde ocorre a araucária – também conhecida como o pinheiro brasileiro. O nome (coxilha) dá-se ao fato de a região ser formada por uma planície ondulada a perder de vista, semelhante aos pampas do Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina.

Aurora na Fazenda da Chapada.

As propriedades localizadas na Coxilha Rica são principalmente fazendas, algumas seculares, destinadas à criação de gado utilizando-se da pastagem natural. Uma das primeiras vias terrestres de ligação entre o Sul e o Sudeste do Brasil, o Caminho das Tropas, traçado no século XVIII, passava pela Coxilha Rica. Era um corredor formado por muros de pedra, as taipas, por onde os tropeiros levavam gado do Rio Grande do Sul a São Paulo (Sorocaba) e ao sul de Minas Gerais.

Taipa de pedras na Fazenda Cajuru.

No primeiro dia nos encontramos na Pousada Rural do SESC em Lages, onde jantamos e tivemos nosso primeiro encontro: uma roda de conversa com uma dinâmica de integração seguida de um aula de fotografia de viagem. Tudo com o objetivo de preparar os viajantes para nossa aventura no final de semana.

Aurora na Pousada Rural SESC Lages, Santa Catarina.

No dia seguinte acordamos cedinho para fotografar a aurora no lago da pousada. O dia amanheceu assim, coberta por brumas, o que não impediu de fazer boas fotos. Depois do café da manhã saímos para a Coxilha Rica. Primeira parada: Fazenda Santa Clara, onde encontramos belos plátanos com as folhas tingidas pelo outono e um gaúcho à caráter. Dali seguimos para a Fazenda da Cajuru, uma casa histórica de 1865, onde depois de muitas fotos saboreamos um almoço com comida típica do planalto serrano.

Fazenda Cajuru.

Depois do almoço continuamos nossa expedição até o Rio Pelotinhas, onde paramos para fotografar. Depois seguimos até a Fazenda da Cascata, onde nos aguardava um delicioso café da tarde servido por uma hospitaleira família. Depois do café saímos caminhando pelo campo para contemplar e fotografar as cores do final do dia na Coxilha.

Ocaso na Fazenda da Cascata.

Seguimos viagem até a Fazenda da Chapada, onde iríamos jantar e pernoitar. Depois de nos instalarmos uma surpresa: um show com um violeiro e um gaiteiro de primeira categoria cantando temas gauchescos e contando causos. Para completar um jantar servido no belo galpão da fazenda (transformado em salão): trutas, carnes, muito pinhão e acompanhamentos. Um verdadeiro banquete. Depois do jantar ainda fomos fazer uma prática de light painting: um retrato do grupo iluminado pela luz de uma lanterna.

No dia seguinte novamente madrugamos para fotografar o amanhecer na chapada que dá nome a fazenda. Para incrementar a paisagem convidamos o Thiago Bombacha, da equipe da fazenda, para participar da nossa sessão de fotos.

Thiago Bombacha na Fazenda da Chapada.

Depois de um lauto café da manhã fizemos uma pequena trilha até a cachoeira da fazenda onde ensinei como fazer fotos com o efeito “véu”(fotografia de longa exposição – veja com detalhes no meu artigo no portal photos). Depois de muitas fotos das pinhas caídas no campo, pois esta é a época de colheita do delicioso pinhão, iniciamos nosso retorno a Pousada Rural do SESC em Lages, onde almoçamos e encerramos a primeira Expedição Fotográfica Coxilha Rica.

Um agradecimento especial a todos que tornaram possível esse projeto: a equipe do Turismo Social do SESC-SC, a equipe da Pousada Rural SESC Lages SC, ao Robério Bianchini, da Coxilha Rica Turismo equestre, profundo conhecedor e responsável pela logística, e a todos que nos receberam nas fazendas visitadas com muita hospitalidade.

Em breve teremos a data de mais uma expedição para lá. Aproveite para ver nossa agenda de expedições e workshops aqui no blog.

 

expedição cânions do sul na páscoa 2017

Olá pessoal! Vejam aqui como foi a Expedição aos Cânions desse ano.

Na subida para a serra já fomos presenteados com um belo por-do-sol, e ainda estávamos no transfer para o ótimo Cambará Eco Hotel, onde ficamos ano passado também.

Na primeira noite já partimos para um retrato da turma toda com lightpainting, e a lua cheia meio tímida no fundo.

No dia seguinte o sol anunciou o seu reinado e logo depois do café da manhã partimos para o Parque Nacional Aparados da Serra.

Primeiro fizemos a trilha do Vértice e depois a do Cotovelo, ambas com vista para o Cânion Itaimbezinho, cujos paredões chegam a ter 700 metros de altura.

Esta é a Cachoeira das Andorinhas vista da Trilha do Vértice.

Da Trilha do Cotovelo a visão clássica do cânion! Lá embaixo corre o Rio do Boi, outra trilha fantástica por dentro do cânion, mas aí é outra história.

Depois do parque ainda fomos à Cachoeira do Tio França, mas eu acabei curtindo mesmo essa foto de um velho galpão no início da trilha. A noite foi de muitas trutas no Restaurante do Lago, no próprio hotel, regadas a um bom vinho com direito a lareira e uma apresentação de harpa e violino pela esposa e a filha do chef!

Uma vista do Cambará Eco Hotel desde o pier no lago.

No terceiro dia fomos ao Parque Nacional da Serra Geral, onde fica o imponente Cânion Fortaleza. Começamos subindo a trilha que leva ao mirante natural, na boca do cânion, porém veio o fenômeno conhecido como viração. Consiste numa grande evaporação de água do mar, que está próximo, e que entra dentro do cânion fechando a visão e nos deixando dentro das nuvens.

Entre uma nuvem e outra fomos subindo e no topo fizemos uma foto do grupo.

Depois começamos a trilha para a Cachoeira do Tigre Preto e Pedra do Segredo mas começou a chover e abortamos a missão. Para fazer a trilha teríamos que atravessar o rio pulando de pedra em pedra, o que com chuva pode ser perigoso. Voltamos para a cidade para programas mais culturais e não menos interessantes: casa do mel, artesanato em lã de ovelha natural e outros. A noite foi a vez de irmos ao Casarão, um ótimo restaurante de comida italiana com uma horta orgânica que fornece todos os verdes.

No último dia mudamos nosso roteiro para conhecer a trilha que fica junto ao hotel, dentro de uma bela mata nativa com araucárias, bromélias e samambaias. Aliás, o nome é trilha das bromélias. O José Antônio, proprietário do hotel foi o nosso guia e contou sobre a história e a ecologia da região.

Assim fechamos com chave de ouro nossa Expedição Cânions do Sul. De 12 a 15 de outubro, feriadão de Nossa Senhora Aparecida, teremos outra viagem aos cânions. Em breve estaremos divulgando os detalhes.

Expedição Floripa com blogueiros de viagens

De 7 a 10 de abril recebemos 11 blogueiros de viagens dos mais diversos lugares do Brasil para fazer a Expedição Fotográfica Floripa. No primeiro dia começamos com uma roda de conversa no Hotel Hola, no centrinho da Lagoa da Conceição. Dali saímos para um por-do-sol na Avenida das Rendeiras, as margens da Lagoa. Pra fechar com chave de ouro apareceu a lua cheia entre as nuvens.

Avenida das Rendeiras, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva – Vista Imagens

No segundo dia fizemos a trilha do Parque Municipal da Praia da Galheta. Saindo da Praia Mole, passando pelo costão esquerdo da praia, chegamos a Galheta, onde subimos a trilha que leva até o mirante da Boavista. De lá tem-se uma visão de quase 360º, avistando a Praia Mole, Galheta, Lagoa da Conceição, Barra da Lagoa e o Parque Estadual do Rio Vermelho.

Trilha da Boavista, Praia da Galheta, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Trilha da Boavista, Praia da Galheta, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Trilha da Boavista, Praia da Galheta, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Pra fechar o dia, depois do almoço fomos até o Parque Municipal da Dunas da Lagoa, para fazer fotos do entardecer com light painting (uma técnica que em breve vou escrever um artigo pra explicar melhor).

Parque da Dunas da Lagoa da Conceição, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Parque da Dunas da Lagoa da Conceição, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

No terceiro dia pegamos um barco do trapiche municipal do centrinho da Lagoa e saltamos no ponto 8 para fazer a trilha até a Costa da Lagoa. Começamos visitando um antigo engenho de farinha, passamos pelo casarão secular da dona Loquinha e terminamos na vila de pescadores da Costa, onde saboreamos o delicioso peixe na brasa do Jajá, no restaurante Sabor da Costa.

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Costa da Lagoa, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

No quarto e último dia, como choveu muito na noite anterior, abortamos a trilha do Gravatá e fizemos uma trilha urbana no centro histórico de Floripa, que terminou com um almoço no charmoso Mercado Público.

Sobrados oitocentistas na Praça XV, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

Mercado Público, Florianopolis, Santa Catarina – foto de Ze Paiva 

A próxima expedição está programada para novembro. Veja mais detalhes clicando aqui.

Os blogs participantes foram:

Com os Pés no Mundo

Tô Pensando em Viajar

Coisos on the Go

Viagem em Detalhes

Cris pelo Mundo

Baú do Viajante

Idas e Vindas

Finestrino

Expedição Fotográfica Coxilha Rica

Este slideshow necessita de JavaScript.

De 5 a 7 de maio estaremos realizando em parceria com o SESC Santa Catarina a primeira Expedição Fotográfica Coxilha Rica. Esta região fica no planalto ao sul de Lages e tem fazendas seculares, taipas de pedra do tempo dos tropeiros (que levavam gado do Rio Grande do Sul até São Paulo), belas coxilhas, é claro, e muitas araucárias.

Veja mais detalhes no link.

Making of – Expedição Santuário das Aves

A Expedição Fotográfica Santuário das Aves, que aconteceu no carnaval 2017 no Parque Nacional da Lagoa do Peixe e região, foi um sucesso! Um grupo de sete expedicionários de diversas regiões do Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Fortaleza, aventurou-se durante três dias por lugares inesquecíveis. Vejam abaixo algumas imagens da Expedição e confiram no blog a nossa programação de expedições fotográficas para o primeiro semestre. A próxima expedição é para os Cânions do Sul na Páscoa – 13 a 16 de abril – que está confirmada e ainda tem vagas. Saiba mais aqui no link.

Este slideshow necessita de JavaScript.